RECADO

Deixe aqui o seu recado acerca do evento CITY:

- considerações ou observações

- pedido de oração

- recado para a organização do evento

- se deseja conhecer melhor o trabalho da ICEJ Brasil

  • White Facebook Icon
  • White Twitter Icon
  • White Instagram Icon

© 2019 by ICEJ Brasil. All rights reserved | icejbrasil@gmail.com

ENTREVISTA A AP. ARÃO AMAZONAS

voltar a ENTREVISTAS

1ª Há quanto tempo o Sr. sobe à Sião? Como foi a primeira vez que o Sr. veio a Jerusalém? Como tem sido essa experiência a cada ano?

 

Eu tenho subido a Sião há muitos anos, há pelo menos mais de 17, 18 anos; já fui em torno de umas 20 vezes á Sião; e Jerusalém é o ponto, é o marco, inclusive, eu fui ordenado ao ministério pastoral, sendo batizado no Rio Jordão pelo próprio Apóstolo Renê, eu e a Apóstola Ester.

A primeira vez que nós subimos a Sião ele disse que Deus tinha nos mandado ser ungidos, ordenados em Jerusalém, porque o nosso ministério era internacional e ali nas águas do Jordão, na Galiléia, fomos mergulhados por ele, foi um tempo em Janeiro, num inverno, com a água muito fria, nós fomos batizados e iniciados o nosso ministério pastoral em Israel. Então, a cada ano é uma experiência nova, a cada ano é um tempo valoroso marcado por milagres, bênção, provisão e a consciência e a gratidão de que a cada ano Deus tem levado a mim e a minha família.

 

2ª Na sua opinião, qual a importância do CITY? 

 

O CITY tem sido importante porque na realidade ele tem agregado, colocado junto os brasileiros, os líderes da visão, do M12 no mundo que sobem a Jerusalém. Na realidade, a ideia do CITY é muito inteligente, interessante, porque quando as caravanas chegam a Israel, elas ficam muito dispersas e a estratégia do Apóstolo Renê, creio que isso vem de Deus, de fazer as pessoas sentarem, terem comunhão, estarem juntas na língua, numa linguagem especialmente que é o português que domina, de ter a direção, de perceber as coisas, de a gente não se sentir solto e ou misturado, mas sem conexão com os outros povos; as vezes as pessoas perguntam sobre o CITY e elas não conseguem perceber como é bom estarmos em comunhão ouvirmos palavras proféticas, visitantes que vão, palestranstes que vão, que ás vezes eles nem falam na outra festa, mas falam a nós e a gente como povo de língua portuguesa, glorificar a Deus, exaltar a Deus e fazer um marco ali de um povo agregado, que sobe a Sião e o CITY faz isso, essa convenção proporciona esses três dia de conexão e de ali recebermos a benção sacerdotal dos nossos Apóstolos que estão ali para estabelecer isso, então é muito bom e muito interessante essa ideia e com bons resultados. 

 

3ª Qual a sua função dentro do CITY? Poderia compartilhar algum momento marcante ao longo desses anos?

 

Bem, a minha função dentro do CITY normalmente eu sou mestre de cerimónias, “MC”; ali a gente vai sondar, trabalhar juntos dos programas que são postos pela equipe, decidir algumas coisas, fazer trabalho de palco, vendo quais são as músicas, as entradas, checando com os demais quem vai falar, quem vai traduzir, como é que vai ser o momento de cada coisa; essa é a minha parte ali. 

A experiência tem sido muito boa, ás vezes é que a gente também trabalha na tradução simultânea, caso um dos interpretes não esteja presente ou seja cansativo demais. 

O momento mais marcante pra mim foi quando em um determinado ano nós tivemos povos Árabes que falaram na festa e pediram que os brasileiros e as nações ali presentes não esquecessem dos Árabes Cristãos que também fazem parte e têm promessa em Israel, promessa de bênção; aquilo me marcou muito como sinal de que nós não podemos estar só com os olhos nos Judeus da terra, mas também nos povos que ali habitam e que têm tido experiências fantásticas com Jesus. 

 

 

4ª Neste ano, o tema “Todas as famílias da terra” tem gerado muita expectativa para muitas pessoas. Quais são suas expectativas pessoais sobre esse decreto?

 

Bom a minha expectativa realmente é de subir a Sião esse ano em família, tomando posse de bênçãos para a família, para a família da igreja, para a família biológica, para os parentes. Quando esse decreto saiu o ano passado, isso me alegrou muito, fiz muitos planos e projetos. A expectativa de ver um maior número de gente, de peregrinos em família é fantástico, é uma experiência sem igual podermos subir, estarmos juntos com o foco ali.

 

Então a minha expectava é que realmente seja um tempo de muito regozijo, de muita alegria, de muita celebração e de estarmos em Sião em família. Creio que serão dia de milagres e de restauração da família.